8.3.14

O inconsciente e as palavras



Quando o sujeito escreve, sente um prazer que traz pulsão ao desejo. Desabrocha em lágrimas de pura e doce necessidade de acalentar a sombra que grita por respostas. Não raro são as noites em claro, na busca de letras e palavras que, de alguma forma, expressem o que é impossível de ser dito. É o som dessas palavras, que não saem, e que fazem ecoar na garganta [entaladas] a sua melodia oculta.

As palavras gritam por um significante, num tom qualquer de discurso que as libertem. Há palavras que não dão conta de emitir sons e se faz [por quê não dizer corporifica-se?] pela escrita, por carregar peso que atravessa a linguagem com significados, sentimentos, que ao dizê-las, emitem um som descontrolado e avassalador, e que ao ouvi-las pode custar à paz ao sujeito.

Às vezes é preciso reorganizar todas essas palavras em nós, na tentativa de preservá-las dos abutres insensatos que nos habitam, na espera de uma oportunidade de atacar. São palavras preciosas, que se afogam no mundo caótico, na busca de encontrar o sujeito que possa ouvir e sentir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário e compartilhe com seus amigos.

Mais lidos da semana