6.3.14

A ideia de terapia


A terapia não evolui sem o paciente, bem como o paciente não evolui sem o terapeuta. É uma troca, ambos crescem... ambos precisam existir.


Em muitos dos casos, procuramos motivos, às vezes, os mais simples para não fazer terapia. O mais celebre dos motivos, ocupando o topo é o medo de se desmoronar numa cadeira, numa sala, numa pessoa na qual jamais se quer se viu.

É assustador dizer a si mesmo quem somos, ou quem nos tornamos.  Lidar com nossas qualidades é muito fácil, mas quando às qualidades não amenizam a dor que os defeitos nos trazem, o que fazer? Como agir?

O medo é muito frequente em terapia, ele é por muitas vezes o motivador da fala. Quando sentimentos medo, o sentimento acaba falando por nós. Quando sentir torna-se exaustivo, a fala torna-se a saída mais sensata. Falar, falar e falar. No desespero de ser ouvido, acolhido. Nada mais importa além do prazer de ser ouvido. Um estágio do sentimento egoísta que, de certa forma, ajuda na cura pela fala. Associação livre.

É nos trejeitos, nos arranjos da fala e nos demais aspectos que o paciente cria e manipula em terapia. Em forma de arte, quase que lúdica, o terapeuta busca analisar e juntar todas as peças, que o paciente jogou no ambiente terapêutico, numa tentativa de compreender quais sentimentos verdadeiros, ocultos e necessitados de atenção, escondem-se na fala, as dores mais emergentes, porém engavetadas no inconsciente.

Não é raro o borbotar das angústias em quatro paredes, sentado em uma cadeira ou amolecido em um divã.  É o momento em que o paciente desenvolve insight sobre suas atitudes, sobre como poderia agir, para que suas ações possam fluir melhor e favoráveis a si mesmo.

Quando o paciente “sente” no ambiente terapêutico a tranquilidade para explorar-se, abrir o baú de si mesmo, e de pouco em pouco retirar objetos, sentimentos e tudo o mais que o impede de olhar a si mesmo, será o momento primordial para identificações, projeções, transferência e a atitude não adequado, no entanto inevitável, a contratransferência.

A terapia é o lugar que o paciente deve se sentir ousado, corajoso, para enxergar que ele pode reconhecer sua sombra sem medo. O terapeuta será o instrumento, a figura de segurança, o ambiente para que o paciente possa ser, sentir, odiar-se e amar-se com sinceridade e sem culpa. Quando todo esse borbulho de sentimentos ocorrerem num set-terapêutico, certamente haverá uma autonomia do paciente nas próximas sessões, nos próximos ensaios de enfrentamento de si mesmo.


2 comentários:

  1. Muito boa reflexão sobre o que é a terapia!
    Se mais pessoas perdessem o medo de se conhecer melhor...

    ResponderExcluir
  2. Diante do medo de sofrer nós evitamos encararmos nossas feridas, e com isso nos impedimos de crescer. Adorei a reflexão. Fiquei até inspirada, fez com que eu lembrasse de algo que estou estudando no momento. Legal.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário e compartilhe com seus amigos.

Mais lidos da semana