quinta-feira, 22 de março de 2018

LIBERDADE É FALAR TUDO QUE SE PENSA?

Between Rivers - Mojowang

O movimento de vomitar toda insatisfação ao outro é uma pulsão [impulso] corporal que é ressentido na história psíquica. Essa “descarga” da pulsão procura satisfação devido à impotência do sujeito em sua busca de um objeto adequado, para tentar manter um estado de menor tensão com o objeto inadequado.

A força que trabalha às voltas do princípio de vida se transforma em combustão da estase e da destruição do objeto inadequado. A insatisfação com o esse objeto último, impele na espiral da repetição. Todo esse excesso que comporta a manutenção da imobilidade destruidora é próprio de uma falta de elaboração à situação que se apresenta. 

Na análise o sujeito poderá encontrar um lugar para endereçar a falação ilimitada do seu discurso, para a partir desse ponto fazer-saber sobre seu sintoma e trabalhar na elaboração do saber-fazer a respeito do saber instaurado dentro da função de vínculo estabelecida com o objeto inadequado. 

É através da transferência que se faz possível transformar a tendência à destruição do objeto externo em energia de maturação e movimento de produção consequente em saber sustentar laços. A análise proporciona ao sujeito a escuta de sua própria história, e aprende sobre o ensejo de pensar, de recalcular a rota e de redimensionar a problemática do seu sintoma, transformando-o em sua causa. 

O saber em análise implica o emissor e receptor a colocar algo de si nessa transmissão psicanalítica. Se o corpo do sujeito em análise não convocar algo subjetivo dentro do ambiente psicanalítico, pode-se transmitir qualquer coisa menos psicanálise. 

Falar tudo que se pensa ao outro sem filtragem é se colocar na qualidade de selvageria de um animal irracional, sem responsabilização pelo que se pensa e fala. Na vida é preciso aprender saber-fazer dentro da função de vínculo com o outro. As diferenças precisam promover uma transformação e uma produção em saber sustentar laços. 

Somente com o outro que aprendemos a fazer melhor com nossa existência no mundo, para fazer-saber o próprio limite e assim aprender a construir saberes para continuar transformando o percurso do próprio desejo. 

2 comentários:

  1. Thaisa18:27:00

    Ao meu ver, não se pode aniquilar o objeto inadequado, quando fundamental então estabelecer uma relação sensata com o mesmo. De fato, falar tudo o que se pensa, como uma forma de desabafar ou tentar diminuir a dor, é extremamente insensato e claro, prejudicial. Como já ouvi: "nem tudo são flores". "Sobrevive quem melhor se adaptar". Se a analise leva o analisado a real causa, e ajuda na construção de laços com os tão diferentes seres, ou mesmo pensamentos não compreendidos pelo analisado, isso é muito bom! Porque os laços nos mostram que todos somos diferentes, passíveis de erros, necessitados de relações, e nos apresentam diversos aprendizados, observando as circunstâncias não somente mais por uma única perspectiva. Tudo isso ainda contribui muitíssimo para a evolução do analisado, em todos os sentidos. Ótimo texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thaisa18:29:00

      (...)Sendo fundamental então estabelecer***

      Excluir

Deixe seu comentário e compartilhe com seus amigos.